Catarata: Meu cãozinho não está enxergando. E agora?

 Assim como nós humanos, nossos cães também envelhecem, mudanças corporais e fisiológicas acarretadas pela idade, vão chegando ao poucos. Eles também passam pela perda do tônus muscular, perda da flexibilidade das articulações, maior vulnerabilidade da imunidade,  e problemas com a visão.

A catarata pode surgir em diferentes formas em em todas os tipos de cães, independentemente da raça ou tamanho, devido a diversos fatores patológicos.

Assim como em humanos, as cataratas passam a ser mais comuns em animais mais velhos, porém, podem afetar animais de qualquer idade e até mesmo os mais novos, sendo assim, uma patologia congênita, juvenil e senil.

E o que é catarata? A catarata é uma condição patológica em que a lente ocular,o chamado cristalino, que funciona como uma câmera, focando os objetos para que possamos enxergar, é afetada, havendo uma interferência na absorção da luz que chega a retina, criando-se uma opacidade parcial ou total desta lente. Esse enbaçamento visual, geralmente progressivo com o passar dos anos, pode levar tanto o ser humano, assim como o cão, a cegueira ou a uma visão subnormal.

Mas o aumento de opacidade do cristalino não ocorre apenas na catarata, outra condição, a Esclerose Nuclear ou Lenticular, outra patologia bem mais comun em cães, onde se pode observar uma coloração mais azulada ou acinzentada do núcleo da lente. Neste caso, os cães conseguem enxergar, havendo apenas uma mudança no índice refrativo da lente que não impede a passagem de luz. Essa condição acomente ambos os olhos ao mesmo tempo, o que também a diferencia da catarata que pode acometer ambos os olhos, ou singularmente cada olho em diferentes estágios.

Voltando a catarata, em sua fase inicial, apenas uma pequena parte da lente é afetada, se localizando atrás da íris (ou a parte colorida dos olhos), conhecida como “Catarata Incipiente”, tendo 10 – 15% de área envolvida, e não afeta a visão dos cães. Geralmente, nessa fase, o proprietário não percabe que há algo de errado com a visão do seu animal.

Com o passar o tempo, a opacidade evolui e passa a cobrir uma maior parte da lente ocular, sendo chamada de “Catarata Imatura”. Essa opacificação pode variar de 10 – 80%, e já passa a interferir na visão do animal.

Se a catarata progredir e passar a cobrir toda a lente ocular, passa a ser chamada de “Catarata Madura”, onde a lente esta inteiramente envolvida e intumescente, opacidade total, uniforme e esbranquiçada, também chamada de opacificação leitosa. Neste caso o animal perde a habilidade de enxergar por completo.

Quando ocorre a catarata, há uma agregação de proteínas lenticulares, aumento das proteínas hidrossolúveis, estresse osmótico, disfunção do metabolismo energético e nutricional, mudanças na concentração de oxigênio e alterações iônicas (GELATT, 2003).

Esta afecção é inespecífica e pode ser caracterizada clinicamente de acordo com o estágio de desenvolvimento, localização no interior do cristalino e etiologia (PEIFFER JUNIOR, 1998). 

 

Sintomas

Os sintomas das catarata podem ser muito parecidos com outras condições oftalmológicas, portanto, nada melhor que uma visita ao médico veterinário para que seu animal possa ser avaliado por um profissional corretamente. Existem vários sinais que sugerem que seu animal esteja com catarata:

  1. Olhos embaçados, opacos, leitosos com alteração de cores para esbranquiçado, acinzentado ou azulado.
  2. Problemas para se locomover, esbarrando em objetos da casa e/ou pessoas
  3. “Apertar os olhos” para tentar enxergar
  4. Sensibilidade excessiva a luminosidade
  5. Medo excessivo ou agressividade repentina
  6. Não reconhecimento do dono e pessoas próximas
  7. Vermelhidão e irritação ao redor dos olhos

Dependendo do cão, a catarata pode levar semanas ou meses para desenvolver. Existem várias razões para o desenvolvimento da catarata:

Hereditariedade

Uma das causas mais comuns, afetando cães de raça e mestiços. Esse tipo de catarata, é adquirido geneticamente e pode surgir em qualquer idade. Algumas raças possuem maior predisposição como: Afghan Hounds, Akitas, Beagles, Bearded Collies, Bichon Frises, Boston Terriers, Chow Chows, Cocker Spaniels, Pastores Alemães, Golden Retrievers, Labradores, Schnauzer Miniaturas, Old English Sheep Dogs, Pointers, Rottweilers, Shiba Inus, Husk Siberianos, Staffordshire Bull Terriers, Poodle Standards, Springer Spaniels e West Highland White Terriers.

Diabetes

A lente ocular necessita de glicose assim como outras partes do corpo. Quando as concentrações de glicose se elevam demais, a catarata se desenvolve em ambos os olhos. Quase a totalidade dos cães diabéticos desenvolvem catarata.

Segundo o AnimalEyeCare.net, 75%  dos cães diabéticos perdem a visão devido a catarata.

Traumas

Qualquer acidente que venha a lesionar a visão, como por exemplo, brigas entre cães, unhadas de gato, perfurações por objetos pontiagudos, e etc, pode não somente causar catarata como outra patologia oftálmica como a Uveíte Reativa Imuno-mediada, segundo o AnimalEyeCare.net. Portanto, qualquer lesão ocular do seu animal, leve-o imediatamente para ser examinado por um médico veterinário.

Congênita

Alguns cães já nascem com catarata, o que não significa necessariamente que seja por causa hereditária. Segundo o PetPlace.com, “Podem ter ocorrido problemas no desenvolvimento das lentes oculares ou dos vasos sanguíneos que envolvem as lentes durante o período de gestação”.

Em relação a outras doenças

Ocasionalmente as lentes podem “adoecer” devido a outra patologia ocular, ou menos comum, reações a medicamentos. Como exemplo de “Cataratas Tóxicas” podemos incluir degeneração de retina, especialmente a atrofia progressiva da retina, uveíte ou glaucoma.

Envelhecimento

Este tipo de catarata associada ao envelhecimento progride lentamente e tende a ser pequeno, nem sempre levando a cegueira, porém, requer avaliação e tratamento veterinário.

Tratamento

Cataratas são relativamente fáceis de se tratar, mesmo que o caminho seja unicamente a cirurgia. Catarata não se reverte. Os procedimentos e o equipamento usados para remover cataratas em cães são os mesmos usados em humanos. A técnica usada é a de facoemulsificação. O procedimento cirúrgico consiste na remoção total da lente ocular afetada e uma lente artificial é aplicada no saco capsular.

Para que o animal esteja apto para passar pelo processo cirúrgico, o médico veterinário irá precisar de alguns exames como hemograma, urinálise e em alguns casos, Raio-X eECG (Eletrocardiograma).

Os animais diabéticos podem e devem fazer o procedimento cirúrgico, porém, somente em casos onde sua glicemia esteja corretamente controlada e não apresentem nenhuma inflamação ocular. Apenas o médico veterineario estará apto para indicar ou não a cirurgia corretiva para catarata do seu animal. Preste muita atenção, sempre!

Após a cirurgia, o cãozinho vai precisar de cuidados pós operatórios, como alguns colírios (antibióticos e antinflamatórios), cuidados para que não cocem os olhos ou se machuquem com corridas e brincadeiras, além de retornos ao veterinário, principalmente nas primeiras semanas pós cirurgia, e depois, anualmente para um correto acompanhamento. Seguido corretamente as dicas do médico veterinário, não haverá problemas e seu cãozinho irá lhe agradecer e muito ;o)

Texto baseado no artigo original de: http://www.findavet.us/2010/03/how-to-care-for-your-dogs-cataracts/

Sobre drpatinhas

Médica Veterinária
Esse post foi publicado em Oftalmologia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s